Imprimir    A-    A    A+

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher (CMULHER) da Câmara dos Deputados realizou nesta quarta-feira (08/05) a reunião técnica para a apresentação e discussão sobre o número de candidatas eleitas e a receitas destinadas a estas candidaturas nas eleições de 2018.

O estudo foi elaborado pelos consultores: Ana Luísa Backes e Luiz Henrique Vogel, e pelos servidores João Carlos Afonso Costa e Marcus Vinícius Chevitarese Alves, que  apresentou através de estudos os seguintes dados:

  • A proporção de candidatas aptas no parlamento brasileiro, e seu percentual de 75%, da representatividade na Câmara dos Deputados;
  • A importância do fundo de financiamento partidário dando destaque no ano de 2014 e 2018, que indicou o aumento da proporção de receitas das mulheres, com aumento significativo de cargo na mesma ordem de grandeza das candidatas femininas competitivas;
  • Com dados da ONU Mulheres, o Brasil ocupa a 134ª posição entre 193 países em participação das mulheres no parlamento.

Veja aqui a apresentação realizada na reunião

Deputada Margarete Coelho, dialogou com os consultores, e exemplificou a sua experiência como parlamentar , visou a importância da liberdade da mulher e seu espaço conquistado no parlamento. Falou dos parâmetros que definem o financiamento de qualidade, a confiabilidade do eleitor para com a mulher, e reforçou dentro do estudo apresentado, a questão da cota de candidatura para as mulheres, o autofinanciamento e discrepância no financiamento privado, e candidatura deferida. Defendeu a sua ideologia voltada na proporcionalidade mais justa. Levou para os consultores a questão da candidata fictícia e que não consegue desvincular a legisladora da ativista.

Deputada Edna Henrique chamou a atenção para a falta de apoio no partido no sentido de recurso partidário que vive a situação da fragilidade

Deputada Flávia Arruda, salientou o acesso maior ao eleitor, a importância das cotas, lutas e conquistas, o avanço da mulher na política brasileira, levantou a bandeira de total apoio a Sororidade fortemente presente no feminismo, sendo definido como um aspecto de dimensão ética, política e prática deste movimento de igualdade entre os gêneros.

Deputada Rosana Valle, chamou a atenção para a questão da destinação do fundo partidário, da regulamentação partidária, democratização da vida partidária. Sugeriu critérios claros e democráticos.

Deputada Ângela Amim ressaltou a importância da participação conjunta, e tranquilidade com relação ao financiamento garantido.

 

Relações Institucionais da CNTC

É permitida a reprodução deste conteúdo, desde que citada a fonte.



Notícias