Venda de bens de consumo doméstico se mantém estável

Imprimir    A-    A    A+

13/04/2018

 

O faturamento com a venda de artigos de grande consumo doméstico no Brasil cresceu 0,2% no acumulado até o terceiro trimestre de 2017, na comparação com o mesmo período do ano anterior, segundo a Nielsen.

As marcas próprias das redes varejistas e os produtos que se intitulam como premium foram os que tiveram maior crescimento, de 3,3% e 2,6%, respectivamente.

“O consumidor economizou com as marcas próprias [de redes varejistas] para manter a compra de produtos mais caros. Por isso o preço intermediário foi afetado”, diz Daniel Asp, analista da Nielsen.

No caso da cerveja, por exemplo, o consumidor se acostumou com o sabor, e a diferença de preços não é grande, explica Paulo Petroni, diretor-executivo da CervBrasil.

Já a alta nas vendas das marcas próprias dos supermercados seguem o comportamento de outros países, diz o diretor do Grupo GPA, Wilhelm Kauth. “É tendência internacional. Não é só a crise.”

Beleza… A Aloha, empresa de venda direta de cosméticos e alimentos, vai investir R$ 10 milhões em 2018 na implantação de um novo sistema e no lançamento de produtos. Parte do recurso será usada no treinamento de consultores.

…na mesa A marca, que pertence ao investidor Carlos Wizard, planeja aumentar o número de seus representantes dos atuais 10 mil para cerca de 30 mil ainda neste ano, segundo o diretor-executivo, Maurício Gregório.

Mexe… A fabricante de mobiliário corporativo Marelli vai aportar R$ 10 milhões nas obras de ampliação da sua fábrica em Caxias do Sul (SP) e em equipamentos. A área construída da planta passará de 20 mil m² a 24 mil m².

…a cadeira A empresa estima crescimento de produção com o lançamento de cadeiras desenvolvidas pela marca alemã Wilkhahn, de maior valor agregado. A companhia prevê alta de 38% em faturamento neste ano.

Move Cerca de metade (55,4%) dos jovens de até 24 anos não tem carteira de habilitação, diz a Alelo, empresa de programa de fidelidade do Bradesco e do Banco do Brasil. Ela quer entrar no mercado de pagamentos para transporte.

Longo prazo A distribuidora de energia Energisa vai investir R$ 13 milhões em digitalização do atendimento ao consumidor nos próximos cinco anos. A funcionalidade já recebeu aportes de R$ 5 milhões da companhia.

Fonte: www.pressreader.com