Imprimir    A-    A    A+

Foi debatido na Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público (CTASP) sobre o Sistema “S” no mundo do trabalho, na sociedade e na economia do país, dos quais destacamos:

Gustavo Leal Sales Filho, diretor de operações do SENAI – relatou sobre a importância da indústria e do SENAI para a população, na geração de emprego e renda.

Salientou a evolução da indústria em novas tecnologias que impactam o processo produtivo e muda o mundo do trabalho, a exemplo das empresas 4.0. Com essas tecnologias haverá uma perda de 75 milhões de empregos, mas serão geradas 133 milhões de novas vagas, com o aparecimento de novas profissões, segundo o diretor.

Informou sobre o processo de educação do SENAI voltado para a indústria 4.0, que capacita os profissionais para as novas profissões.

Luiz Carlos Bohn, vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), relatou a história do SESC/SENAC desde sua criação até os dias atuais, suas importâncias na educação profissional e no desenvolvimento do país.

Apresentou a presença do SENAC em todo o território nacional e dos cursos destinados à formação profissional do trabalhador.

Já o SESC procura promover qualidade de vida ao trabalhador, como educação, saúde e lazer.

André Sanches, chefe de gabinete da diretoria geral do SENAR, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural apresentou as principais ações para a formação de trabalhadores rurais, desde os mais simples até os mais complexos.

Informou os dados da formação profissional do campo.

Karla Tadeu Duarte de Oliveira, gerente geral do Serviço Nacional de Aprendizagem do Cooperativismo (SESCOOP), destacou a importância do cooperativismo para o país, informou os dados do SESCOOB, com 14,6 milhões de cooperados, com foco no mais emprego e no desenvolvimento do emprego e renda do país.

Nicole Goulart, diretora executiva Nacional do SEST SENAT, pontuou a importância dos trabalhos efetuados no seguimento do transporte.

Informou os dados dos cursos efetuado em todo o território nacional para todos os tipos de modais, seja ele aéreo, aquaviário, ferroviário ou rodoviário.

Informou ainda que os recursos, apesar de darem atenção para todos os modais, somente o rodoviário é que contribui de forma compulsória.

Relações Institucionais da CNTC

É Permita a reprodução desde que citada a fonte



Notícias